Para contar com uma gestão financeira realmente eficaz no seu negócio, você precisa utilizar o Regime de Competência. Esse é um método que registra todas as receitas e despesas geradas, mas em seu período de competência.

Por exemplo, se você comprou alguma matéria-prima em janeiro, mas o pagamento dela será apenas em março, o registro será feito em janeiro mesmo, que foi o mês no qual a despesa foi gerada.

Ou seja, independentemente da entrada ou saída de valores, a conta será registrada na data exata da transação.

Continue lendo esse post e entenda:

  • Qual a importância do Regime de Competência;
  • Quais as divisões Regime de Competência;
  • Como é feita a apuração dos resultados;
  • Quais as vantagens de usar o Regime de Competência;
  • A diferença entre regime de caixa e regime de competência;
  • Erros básicos que deve evitar ao fazer o Regime de Competência.

Confira!

Qual a importância do Regime de Competência?

O Regime de Competência tem como principal objetivo organizar o departamento financeiro e contábil do seu negócio. O registro de conta irá gerar um relatório que permitirá que o empreendedor saiba exatamente os gastos em determinado período, e quanto de receita precisa ter para cobrir esse valor.

Além disso, esses relatórios podem auxiliar na tomada de decisões estratégicas do seu negócio. Com base nos dados de períodos passados da empresa, é possível traçar estratégias que permitam o aperfeiçoamento do empreendimento.

Tenha relatórios financeiros da sua empresa utilizando o sistema de gestão empresarial Lexos

Quais as divisões Regime de Competência?

A metodologia do Regime de Competência é bem simples, basicamente ele se divide em duas categorias:

  • Registro de receitas

Essas contas são registradas no período que as transações são realizadas com terceiros. Mesmo que o pagamento não tenha sido feito no mesmo dia da transação, e sim em uma data posterior, a conta é registrada no dia que ela ocorreu, pois compete ao mês atual.

  • Registro de despesas

No caso dos registros de despesas, eles são feitos quando os ativos deixam de existir. Esses valores podem ser transferidos para terceiros, ou com o surgimento de um passivo que não tenha relação com um ativo que tenha sido registrado antes.

Assim como as receitas, essas contas são registradas no dia da transação, mesmo que a despesa só vá sair do caixa posteriormente.

Como é feita a apuração dos resultados?

Todas as contas do Regime de Competência, despesas e receitas, precisam ser apuradas no período em que elas ocorreram. Os registros devem ser feitos de forma simultânea, independentemente de recebimento ou pagamento.

Esse reconhecimento simultâneo, quando acontecem de forma correlata, é ima consequência natural do período em que ocorrer a geração. É preciso ter em mente, também, que o Regime de Competência é considerado pelas Normas Brasileiras de Contabilidade o único meio de parâmetro válido, por isso é tão utilizado por grandes empresas no mercado nacional.

Quais as vantagens de usar o Regime de Competência?

A utilização do Regime de Competência é fundamental para o setor financeiro de uma empresa. Isso porque esse regime ajuda no controle de despesas e receitas em determinados períodos, além de oferecer uma série de vantagens para o empreendimento, tais como:

  • Mostra a realidade da situação financeira da empresa, se afastando de possíveis distorções que possam ocorrer por conta da não correspondência de ativos em determinados períodos;
  • Com o Regime de Competência o controle contábil consegue ser equivalente ao financeiro, o que facilita o trabalho dos profissionais de ambos departamentos;
  • Melhora a gestão do negócio, uma vez que é possível analisar relatórios de Regime de Competência anteriores, e, com base nesses dados traças estratégias para os demais períodos.
  • Impedir que haja uma maneira de comprar valores, e ter certeza que tido foi lançado de maneira correta.

Essas são apenas algumas das vantagens do Regime de Competência. Mais do que uma ferramenta contábil, ele é uma forma de organizar o setor financeiro do seu negócio, garantindo que você tenha total controle sobre as receitas e despesas.

Muitos empreendedores não realizam esse registro de maneira correta, e acabam tendo problemas de fluxo de caixa, uma vez que não sabe quando os ativos entraram ou saíram, nem a situação financeira real do negócio.

Não confunda o Regime de Competência com o Regime de Caixa

Esse é um erro comum, principalmente entre empreendedores que não contam com profissionais capacitados no setor de contabilidade e finanças. Apesar de regime de competencia e caixa serem formas de registros amplamente utilizadas em uma empresa, elas funcionam de maneira bem diferente.

No Regime de Competência, como dito anteriormente, as contas são feitas no momento que a transação é efetiva. Ou seja, mesmo que o pagamento ou recebimento de valores seja feito apenas posteriormente, todos os valores já ficam registrados.

Já no Regime de Caixa, todas as contas só são registradas no momento exato em que os recursos financeiros entram ou saem do fluxo de caixa, e não na data da transação.

Para a compreensão ficar mais fácil da diferença entre o regime de competência e regime de caixa, vamos utilizar um exemplo simples. Digamos que você tenha vendido um produto para seu cliente no dia 30 do mês de julho, mas, o pagamento dele só foi realizado no dia 30 de agosto.

No Regime de Competência, essa receita será contabilizada no dia 30 de julho, pois, foi quando a transação ocorreu. Já no Regime de Caixa, a receita só será contabilizada no dia 30 de agosto, que foi quando o dinheiro realmente entrou no caixa da empresa.

O ideal é que a sua empresa utilize essas duas metodologias de registro. Em conjunto, elas permitem que você tenha um controle financeiro e contábil mais realista e controlado, impedindo que erros de registro ocorram.

 

Erros básicos que você deve evitar ao fazer o Regime de Competência

Para fazer o seu Regime de Competência com tranquilidade e sem ter problemas no futuro, é importante evitar alguns erros comuns. São eles:

  • Não registrar as contas no momento da transação. Muitas vezes você pode esquecer de registrá-las posteriormente, o que gerará erros no registro;
  • Fazer os registros de forma manual. O ideal é que você use ferramentas de automação, pois, manualmente você corre o risco de registrar valores errados. Lembre-se, cada centavo precisa ser contabilizado de maneira correta, até mesmo para que não hajam problemas tributários;
  • Achar que o Regime de Competência é o fluxo de caixa. Ambos são duas coisas completamente diferente. O Regime de Competência é um método de registro de contas, e o fluxo de caixa é o controle real da movimentação financeira do seu negócio.

Seguindo essas dicas simples, você verá que será mais fácil fazer o Regime de Competência dentro da sua empresa.

Quer mais informações sobre contabilidade e finanças? Então não esqueça de nos seguir nas redes sociais.

Artigos que você pode se interessar